Transplantes Capilares

FUE (Folicular Unit Extraction)
O objetivo do transplante capilar é proporcionar uma aparência mais estética, devolvendo a auto estima a quem sofre com a calvície.
Antigamente os transplantes eram feitos com enxertos de 3-4mm, contendo até 25 cabelos, o que resultava em um aspeto artificial, tipo tufos ou “cabelo de boneca”. Durante os anos 90, foi criado o transplante capilar de unidades foliculares. Desde então, vários avanços nas técnicas têm contribuído para resultados cada vez mais naturais.
A técnica FUE é uma técnica de transplante capilar minimamente invasiva, com um tempo de recuperação bastante curto e excelentes resultados.

Através de um pequeno instrumento cirúrgico chamado “punch”, as unidades foliculares são retiradas uma a uma da zona doadora do paciente, para posterior colocação na zona calva.

A zona doadora fica livre de cicatrizes visíveis e recupera-se rapidamente. Os pequenos pontos milimétricos esbranquiçados que podem restar na zona doadora são muito discretos e impercetíveis, permitindo o uso de cortes de cabelos bastante curtos.

Além do uso de unidades foliculares, outro fator determinante para a naturalidade dos resultados é o desenho correto da linha frontal do transplante (linha da frente ou hairline), que deve ser compatível com sexo, raça e idade do paciente, acompanhar as entradas naturais e ser harmonioso. Esta fase do procedimento requer grande sensibilidade estética do médico.

É muito importante a criação de uma linha frontal irregular, de densidade progressiva e que não seja reta ou de início abrupto. São utilizadas apenas unidades foliculares de um fio nas primeiras linhas, e para se atingir um resultado absolutamente natural, é necessário imitar também a penugem que antecede as primeiras linhas da frente. Para isso, são utilizados fios de cabelo muito finos (cabelos ultrafinos) que são implantados à frente dos demais, de forma a garantir sofisticação e perfeição aos resultados.

Toda a cirurgia é realizada sob anestesia local, e dura em média 5 a 7 horas. Esta é uma cirurgia de grau I, ou seja, o grau mínimo de risco para qualquer cirurgia. A longa duração deve-se à técnica minuciosa e sofisticada que é utilizada.

São transplantados de 2000 a 5000 fios de cabelo (em 1 ou 2 dias de procedimento), sem dor. Não há necessidade de internamento e o paciente retorna à sua casa, no final da intervenção, sem pensos.

Em resumo, para a obtenção do resultado estético desejado, é muito importante que o médico seja dotado não apenas de extenso conhecimento anatômico e científico, mas também de senso estético. A cirurgia de transplante capilar é extremamente minuciosa, e é exatamente a preocupação com os vários pequenos detalhes que farão uma enorme diferença entre um excelente resultado e um mau resultado.

Se realizado por mãos habilitadas, o transplante capilar FUE oferece resultados absolutamente naturais, que devolvem a autoestima e bem-estar aos pacientes.

VANTAGENS DA TÉCNICA DE TRANSPLANTE CAPILAR

São muitas as vantagens da técnica FUE de transplante capilar:
É uma técnica de transplante capilar minimamente invasiva e que não deixa cicatrizes visíveis. Os pequenos pontos esbranquiçados que podem permanecer na zona doadora são praticamente impercetíveis, o que permite ao paciente usar o cabelo bastante curto;
As incisões são realizadas com instrumentos milimétricos e na profundidade correta, o que garante boa oxigenação folicular e crescimento saudável do cabelo transplantado;
As unidades foliculares são colocadas muito perto umas das outras;
É possível implantar até 5.000 fios de cabelo em cada etapa (para um procedimento de 2 dias);
A distribuição dos cabelos é feita de forma natural, de acordo com a inclinação e direção do cabelo ainda existente ou, no caso de ausência completa de cabelos, de acordo com os padrões mais comuns de distribuição;
A recuperação pós-operatória é rápida e indolor;
Por se tratar de uma cirurgia minimamente invasiva, o transplante capilar fue proporciona ao paciente uma vida normal, podendo inclusive voltar ao trabalho no dia seguinte, desde que sua atividade não requeira esforço físico violento.

INDICAÇÕES DO TRANSPLANTE CAPILAR

Calvície androgenética masculina;
Calvície androgenética feminina;
Sobrancelhas ausentes ou sobrancelhas com falhas devido a trauma ou excesso de depilação;
Deficiência ou ausência de pêlos na zona da barba ou do bigode;
Camuflagem de cicatrizes no couro cabeludo, na zona da barba, do bigode, das patilhas (normalmente pós lifting facial), das sobrancelhas, ou em outras zonas corporais que contenham pêlos;
Falha na zona frontal do couro cabeludo, em forma de triângulo, presente desde o nascimento (alopecia triangular congénita);
Ausência ou diminuição dos pêlos pubianos, normalmente por excesso de depilação, stress ou alterações hormonais.

PERGUNTAS FREQUENTES

Qual é a vantagem do transplante capilar com a técnica FUE em relação à técnica da tira ou strip?

R.: A principal vantagem do FUE com relação a técnica da tira é a maneira como as unidades foliculares são extraídas. Pela técnica FUE os folículos são retirados um a um com auxílio de instrumentos milimétricos, o que não deixa cicatrizes visíveis e permite que o paciente utilize o cabelo curto. Além disso não há pontos, nem pensos ou ligaduras de forma que o pós-operatório é tranquilo e indolor.

Para fazer o transplante capilar FUE é necessário internamento?

R.: Não. O procedimento é realizado em bloco operatório preparado para este tipo de cirurgia e o paciente entra e sai no mesmo dia.

A anestesia aplicada é geral?

R.: Não. A anestesia aplicada é local.

Vou sentir dor após a cirurgia?

R.: Normalmente o paciente não sente dor no pós-operatório. Raramente pode apresentar um ligeiro desconforto que cede com o uso de analgésicos comuns.

Todas as pessoas podem fazer um transplante capilar?

R.: Infelizmente não. Há casos em que o transplante não é uma opção, por isso é fundamental a avaliação médica prévia.

Como sei se sou um bom candidato ao transplante?

R.: Em termos gerais se o indivíduo é saudável, não apresenta nenhuma doença importante e possui uma boa zona doadora, é um potencial candidato ao transplante capilar. Embora a avaliação médica seja primordial para investigar alterações responsáveis pela queda de cabelo e para indicar corretamente a cirurgia.

Quantos dias terei que ficar afastado do trabalho?

R.: Normalmente recomendamos repouso nos 2 dias que se seguem à cirurgia. Embora não exista nenhuma contraindicação ao retorno imediato à sua rotina, desde que não implique em esforço físico extenuante.

O cabelo transplantado é permanente ou cairá com o tempo?

R.: O cabelo que será transplantado provém de zonas que não estão sujeitas à ação do DHT (hormônio responsável pela calvície), portanto é permanente.

Tenho que ter algum cuidado especial com os cabelos transplantados? Posso tingir os cabelos, usá-los apanhados, frequentar piscina, etc.?

R.: Recomendamos que não aplique químicos na cabeça durante os primeiros 45-60 dias após o procedimento. Depois desse período o paciente pode retomar a sua rotina normal de cuidados com os cabelos. Embora seja importante ressaltar que o uso contínuo de químicos nos cabelos, assim como a tração frequente exercida nos brushings e alguns penteados, pode danificar os cabelos e provocar a queda dos mesmos, sejam eles transplantados ou não.

Ficarei com falta de cabelos ou falhas na zona doadora após o transplante?

R.: Não, desde que tenha sido feita uma avaliação correta por médico experiente.

Vou ficar com aspeto artificial do tipo tufos ou cabelo de boneca na zona recetora?

R.: Não. O aspeto artificial que se vê em cirurgias feitas antigamente deve-se ao facto de que os cabelos eram implantados em linha reta (o que não existe na natureza) e pela utilização de unidades foliculares de 3 ou mais cabelos na linha da frente, o que dava o aspeto de tufos. Hoje existem técnicas que permitem que o resultado estético seja satisfatório e natural.

É necessário realizar exames ou análises para fazer essa cirurgia?

R.: Sim. Normalmente são solicitadas análises ao sangue e eletrocardiograma. No entanto o médico durante a avaliação poderá solicitar outros exames que julgue necessário.

Pode-se transplantar cabelos de outra pessoa, como um familiar direto por exemplo?

R.: Não é possível porque ocorreria rejeição dos cabelos.

Pode-se transplantar cabelos de outras zonas do corpo além da cabeça?

R.: Sim é possível. No entanto não recomendamos o uso de pêlos corporais porque o ciclo de crescimento e a qualidade dos pelos é diferente, o que comprometeria o resultado final do transplante.

Há risco de rejeição dos cabelos transplantados?

R.: Não. Como os cabelos transplantados são da própria pessoa, não existe o risco de rejeição.

Vou ficar com cicatrizes?

R.: Sempre que existe um corte, há um processo de cicatrização. Como são feitos cortes milimétricos restarão apenas pontos esbranquiçados muito pequenos (menores que 0.5mm de diâmetro) nas zonas onde foram extraídas as unidades foliculares. Esses pontos esbranquiçados são praticamente invisíveis, o que permite que o paciente possa utilizar o cabelo curto.

Quanto tempo demora para que os resultados sejam visíveis?

R.: Os resultados são progressivos. Começa-se a notar resultados a partir do 4º mês e o resultado final é visto a partir do 10º mês de pós-operatório.

Pode-se transplantar cabelos da cabeça para outras zonas do corpo?

R.: Sim. É comum o transplante de cabelos da cabeça para outras zonas do corpo como barba, bigode, patilhas, sobrancelhas, tórax e púbis.

Tenho que cortar o cabelo para fazer a cirurgia?

R.: Pedimos que o paciente compareça à cirurgia com o cabelo sem cortar e com o penteado de uso habitual. Dessa maneira poderemos avaliar o cabelo existente e que grau de cobertura proporciona. Logo antes de realizar o procedimento rapamos a zona de onde vamos extrair os cabelos. Pode-se rapar a cabeça na totalidade, ou rapar faixas estreitas que ficam disfarçadas por entre as faixas de cabelo comprido. Mas só o médico poderá avaliar o que é mais adequado no seu caso.

Se decidir por fazer o transplante capilar FUE, qual será o primeiro passo?

R.: O primeiro passo será escolher um médico que tenha vasta experiência nessa área e verificar se o local onde vai realizar o procedimento tem condições adequadas (bloco operatório certificado para este tipo de cirugia). Depois deverá agendar uma consulta de avaliação médica para que seja discutido pessoalmente o seu caso e elaborado um plano de tratamento adequado a si.