Oclusão

ENXAQUECAS – OCLUSÃO E POSTURA

Após alguns anos de investigação conclui-se que os dentes, os ouvidos, os olhos e a postura estão em dependência estreita e que a influencia de uma actua sobre as outras.

QUAIS SÃO POIS AS EXPLICAÇÕES NEUROFISIOLÓGICAS?

Os dentes, os músculos mastigadores e a articulação da mandíbula são inervados pelos ramos do nervo Trigémio. Este está em conexão (ligação) estreita com os nervos craneanos que comandam os músculos motores do globo ocular e os nervos craneanos que comandam os músculos da postura, quer sejam os músculos do pescoço e/ou os músculos que ajustam a rectitude da coluna vertebral. Se um dos órgãos não funciona convenientemente, os outros órgãos serão afectados. Pelo que um mau contacto dentário pode provocar não somente distúrbios da convergência ocular, mas também problemas da postura corporal. O Dentista que se interessa pelos distúrbios da oclusão deve pois trabalhar, em certos casos clínicos, conjuntamente com um Oftalmologista, um Osteopata, um Ortopedista e um Otorrino. Pois os ruídos sentidos na articulação da mandíbula, dores de cabeça, enxaquecas, dores na face, no ouvido, nos olhos, no pescoço, nas vértebras cervicais, dificuldade de fixar textos, as vertigens nos grandes espaços, as dores ao nível das vértebras lombares, os distúrbios articulares ao nível do joelho e do tornozelo estão estritamente ligadas. O diagnóstico do Dentista é estabelecido depois de uma anamnese completa, uma apalpação dos músculos mastigadores, uma auscultação com estetoscópio das articulações do maxilar, as medidas de amplitude dos diferentes movimentos mandibulares radiográfico confirma ou não a presença da artrose da Articulação Temporo Mandibular (A.T.M.). A observação da postura e da convergência ocular indica ao Dentista da necessidade ou não de recorrer a outros especialistas para completar o seu tratamento. Este estudo postural faz-se pelo controle de horizontalidade das espáduas e bacia.

PARA RESOLVER OS PROBLEMAS DOS MAXILIARES, O TRATAMENTO PROPOSTO SERÁ:

GOTEIRA OCLUSAL: colocada 24 sobre 24 horas, a Goteira Oclusão é removível com o fim de permitir a limpeza e escovagem dos dentes. Durante este período, será controlada e regulada todos os meses na clínica dentária. O atenuamento dos sistemas clínicos podem ser rápidos na ordem de 1 a 2 semanas, ou perdurarem mais tempo, sobretudo para os tratamentos de distúrbios articulares. Esta diferença no tempo depende não somente da gravidade da patologia, mas igualmente do potencial paciente em se adaptar e controlar o seu STRESS. Conjuntamente à utilização desta Goteira Oclusal, o Osteopata faz o seu diagnóstico com um interrogatório preciso sobre as circunstâncias traumáticas dos problemas que se instalaram no paciente.

O OTORRINO: procede ao diagnóstico e verifica o mecanismo de equilíbrio coclear.

O ORTOPEDISTA: aquando de indicação de cirurgia ou tratamento justificativos.

O OFTALMOLOGISTA: estabelece o seu diagnóstico do problema de convergência com um aparelho especial que lhe permite não somente controlar mas também cuidar da mecânica ocular. Em geral, 12 sessões serão suficientes para rectificar e colocar em ordem a situação. Esses tratamentos realizam-se ao mesmo tempo de forma que o equilíbrio do paciente se estabeleça plena e harmoniosamente.

O OSTEOPATA: observa a sua estática e rectifica a postura do doente manipulando os músculos que regem o seu equilíbrio, 3 a 4 sessões de tratamento serão suficientes para obter o resultado esperado na maioria dos casos.No final do tratamento ortopédico, o tratamento estabilizador será a continuidade para evitar recidivas. Para o Dentista, dependerá do estado das arcadas dentárias do paciente. O tratamento pode ser unicamente um ajuste da oclusão, tratamento ortodôntico, próteses fixas com coroas ou pontes, próteses amovíveis em resina ou metal ou próteses esqueléticas. Para os pacientes que não conseguem libertar-se e curar o seu stress, uma goteira nocturna de segunda intenção será colocada após tratamento estabilizador.

Dr. Olivio Lopes Dias